As cáries são um mal comum entre crianças e jovens, mas podem afetar qualquer pessoa. Seus principais alvos são aqueles com higiene bucal inadequada e alimentação baseada em alimentos doces e ácidos.

Pessoas que utilizam de medicamentos fortes, onde os compostos acabam enfraquecendo o esmalte dentário, também estão sujeitas a desenvolver cáries.

A cárie surge quando são consumidos amidos presentes em alimentos com muitos carboidratos (pães, bolos, biscoitos) e açúcares e não se tem um bom hábito de limpeza da boca.

 

Como a placa se transforma em cárie

Esta mistura de amidos e açúcares, junto à saliva, acaba se transformando em um ácido e formando a placa bacteriana. Esta placa gruda no dente, principalmente nos molares posteriores (dentes de trás), no contato de todos os dentes com a gengiva e nas restaurações. Com o tempo, a placa começa a corroer o esmalte dentário. Na corrosão do esmalte podemos identificar a cárie.

Normalmente, neste estágio, a cárie não causa dor. A dor só aparece quando a cárie atinge um nervo ou quando ocorre uma fratura de algum dente, devido a esta corrosão, expondo suas camadas mais internas.

 

Cárie pode levar à perda dos dentes

Quando a cárie não é tratada, ela penetra no interior do dente e destrói sua polpa. Neste caso, a cárie se encontra em um estágio desenvolvido e, dependendo do caso, o tratamento se dá através da aplicação de restaurações em artglass, resina ou porcelana (que são uma espécie de partes de um dente, feitas em laboratório) ou em muitos casos é necessário remover todo os esmalte danificando, tratar os canais internos do dente (tratamento de canal ou endodontia) e aplicar sobre ele uma coroa total de porcelana, ou seja, do dente, sobra apenas a raiz.

Há casos porém que a cárie é tão séria que atinge até a raiz do dente, levando a perda do mesmo, que precisará ser extraído e só poderá ser substituído por um tratamento com implantes de titânio.

 

Será que estou com cárie?

Por mais que você sinta alguma dor dentária, somente um dentista poderá avaliar e dizer se você está, de fato, com cárie. Ela, na maioria dos casos, não está visível aos olhos.

O profissional poderá verificar se entre os dentes existe alguma superfície deteriorada ou se alguma parte do dente está macia. Em alguns casos, o Raio-X poderá ajudar na identificação de alguma cárie que esteja escondida em alguma fissura dentária.

 

Tratamento

O tratamento depende do estágio em que se encontra a cárie nos seus dentes.

Se identificada logo no início, onde as bactérias dissolveram apenas uma pequena parte superficial do esmalte dentário, o dentista irá remover a parte deteriorada através de instrumentos adequados e preencher com porcelana ou resina.

Se a situação da cárie estiver um pouco mais avançada, em que os dentes estão muito deteriorados e sem muita estrutura, usam-se coroas ou coberturas que cobrem a parte faltante. As coroas são feitas em porcelana e se assemelham muito ao dente original.

Nos casos mais complicados, em que a cárie tenha atingido o nervo e provocado a morte do dente, é necessária uma intervenção cirúrgica onde possivelmente a polpa e o nervo serão extraídos. É muito comum neste estágio ter problemas de canal, onde será feita mais uma intervenção para que a placa não se espalhe para os outros dentes.

 

O segredo para evitar esta doença

  • Bastam 15 minutos após as refeições para que as placas comecem a trabalhar. Portanto, escove os dentes depois de comer e use cremes dentais que contenham flúor.
  • Passe o fio dental sempre que possível após as refeições. Pelo menos 1 X ao dia este procedimento com fio dental deve ser executado de forma bem cuidadosa, para remover todos os resíduos que a escova não alcança.
  • O fio não deixa os alimentos se acumularem no contato dos dentes (chamamos de contato as extremidades de dentes vizinhos) entre si e também com a gengiva, ajudando muito na prevenção não só de cáries como também doenças periodontais. O fio chega onde as cerdas não conseguem chegar e retiram as placas acumuladas entre os dentes.
  • Evitar alimentos pegajosos, como balas e frutas secas, assim como comer alimentos adstringentes, como cenoura, maçã e verduras podem ajudar muito. Isso porque estes alimentos ajudam na salivação e diminuem a acidez da boca.
  • Marque visitas regulares ao seu dentista. Só ele poderá acompanhar a saúde dos seus dentes e gengivas e identificar se há algo errado com a sua saúde bucal.

 

Clique aqui para marcar a sua avaliação inicial na Odontoquality